Atingindo os Dezoito


No último dia 1º completei dezoito anos. Confesso que sempre tive medo dessa idade, e o que parecia ser uma data tão longíqua, chegou com uma rapidez incrível. Neste dia (1 de julho) muitas amigas e amigos vieram me perguntar qual é a sensação de estar completando os famosos dezoitinhos, e finalmente estar atingindo a maioridade. A grande maioria me perguntara, porque sou uma das mais velhas do meu círculo de amizades, e da minha sala também, não porque repeti de ano, mas porque quando ingressei na escola não pude entrar logo no prezinho, tendo que passar primeiro pelo jardim II, por fazer aniversário no meio do ano. Quando ouvia tais perguntas, fiquei confusa, pois antes imaginava que quando atingisse a maioridade, estaria mais madura, mais séria, mais experiente, ou seja, pensei que seria uma adulta de verdade, como num passe de mágica, mas nada ocorreu. Dormi e acordei da mesma forma, e não senti nenhuma mudança brusca, nem nada do tipo. Sou a mesma pessoa dos dezessete, dos dezesseis, dos quinze, dos quatorze até, sou a mesma e ponto. Para mim nada mudou, contudo, eu sei que muita coisa em mim foi mudando, mudando, mudando, tão gradativamente que eu sequer pude perceber. Por isso, quando me perguntaram como eu me sentia com dezoito anos, eu não soube o que responder, apenas disse que me sentia normal, a mesma pessoa, e que ter dezoito me assustava, pois eu não me sentia como uma adulta como eu imaginava ser uma pessoa ao atingir os dezoito anos de idade.

Mesmo aos dezoito, meus gostos são os mesmos, minha paixão por gatos é a mesma, meus filmes favoritos e livros também são os mesmos. Acredito que eu estou sendo preparada para os dezoito há muito tempo, e por isso não senti uma mudança brusca. Ninguém muda bruscamente, assim de uma hora para outra, num passe de mágica onde é só tocar a varinha de condão e "pluft" ocorre a mudança. Ninguém muda ao fazer aniversário. Apesar de não perceber, sei que vivo em constante processo de metamorfose, e que minhas ideias são semelhantes, mas não são as mesmas de quando eu tinha quatorze ou quinze anos. Estou mais madura, apesar de não me sentir assim. A vida é uma escola, e eu estou em eterno processo de alfabetização, nunca conseguirei traçar um enredo, mas posso ao menos, escolher o tema de cada parágrafo, seu desenrolar já é outra história... Ter dezoito anos é simples, é uma nova translação ao sol, uma nova primavera, um ano a mais para responder quando perguntarem sua idade. Ter dezoito anos não é acordar e ver estrelinhas no teto, não é sentir-se uma borboleta livre só porque você já responde por suas ações, não... Contudo, dia primeiro de julho foi mágico, não por ter atingido a maioridade, mas pelas pessoas que estiveram comigo nesta data, e por isso foi incrível, e eu agradeço por ter atingido meus não esperados, mas muito bem-vindos dezoito anos.

3 comentários:

Rafael disse...

Ah, legal, agora você pode beber, ser presa e fazer sexo.
:B
auhauhauah
Bjs

Juliana Oliveira disse...

- Oi Nay!
Amei seu texto, fazer 18 é mto bom. Mas é aquilo não muda Absolutamente em nada!
Vc poderia fazer história e letras. As duas são da mesma família rsrs
amei o kmt, queremos mais textos rsrsrs
bjooos

Bill Falcão disse...

Foi a melhor definição que já vi sobre a chegada dos 18 anos. Tudo muito bem detalhado.
Bjoo!!